ONU pede que MP faça investigação independente e cita tendência de uso desproporcional da força em favelas

O Globo 07/05/2021 - 10:13:31 Brasil

Comunidade amanheceu com policiamento reforçado nesta sexta-feira (7), um dia após a operação mais letal da história do RJ. Porta-voz de Direitos Humanos diz que há relatos de que a cena do crime não foi preservada.

O escritório de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) cobrou, nessa sexta-feira (7), uma investigação independente sobre a operação policial no Jacarezinho que deixou 25 mortos, incluindo um policial.

Continua depois da Publicidade

O porta-voz dos Direitos Humanos da ONU, Rubert Colville, disse em entrevista coletiva em Genebra, na Suíça, que há um histórico de uso desproporcional e desnecessário da força pela polícia.

“Pedimos que o promotor conduza uma investigação independente e completa do caso de acordo com os padrões internacionais", disse Colville

O porta-voz ainda se diz preocupado com o fato de que a cena do crime não tenha sido preservada, dificultando o trabalho da perícia para a elucidação das circunstâncias da morte.

"É particularmente preocupante que a operação tenha ocorrido apesar de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de 2020 restringindo as operações policiais em favelas durante a pandemia de Covid-19", afirma Colville.

Ele faz um alerta às autoridades brasileiras para que o uso da força seja aplicado quando estritamente necessário, respeitando os princípios da legalidade, precaução necessidade e proporção.

"A força letal deve ser usada como último recurso e apenas em casos em que há ameaça iminente à vida ou de um sério perigo".

A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) afirma que há "graves indícios de execução" no Jacarezinho e também pediu uma investigação do Ministério Público.

"É preciso dar o nome correto do que aconteceu no Jacarezinho: chacina. É absurdo naturalizar esse tipo de ação. As pessoas esperam do governo a vacina e a comida, é só recebem terror e morte. Não existe pena de morte no Brasil. A polícia não pode combater o crime cometendo crimes contra humanidade. O MP precisa investigar com seriedade e compromisso com a população do Rio", afirma a presidente do grupo, Renata Souza (PSOL).

Fonte: O Globo

Publicidade

Mais Acessadas da Semana

Parceiros