Escolas de SP vão definir quantidade de alunos nas aulas presenciais.

Folha de S. Paulo 14/07/2021 - 13:26:42 Brasil

A partir de 2 de agosto mudam as regras e o distanciamento entre os estudantes nos colégios do estado de São Paulo será de 1 metro.

 (FOLHAPRESS) - A partir do dia 2 de agosto, mudam as regras para as aulas presenciais no estado de São Paulo e as escolas vão definir o limite de alunos. Para isso, as instituições vão precisar respeitar o distanciamento de, ao menos, 1 metro de distância entre os estudantes. 

Continua depois da Publicidade

Não vai haver mais uma recomendação por percentual de capacidade para as unidades de ensino.

No primeiro semestre de 2021 quando foram retomadas as atividades nas escolas, as unidades tinham que respeitar o limite de 35% de sua capacidade e a distância mínima entre as carteiras era de 1,5 metro. 

Ainda de acordo com o governo estadual, todas as demais regras sanitárias, como uso de máscara de proteção, ainda continuam sendo válidas e precisam ser respeitadas.

Um decreto publicado no Diário Oficial do Estado na última quarta-feira (7) determinou o retorno às aulas presenciais para a toda rede pública estadual de ensino já em agosto e sem o limite de 35% dos alunos em sala de aula. 

A decisão foi tomada após a expedição de uma nota técnica do Centro de Contingência do Coronavírus, órgão que assessora a gestão João Doria (PSDB) nos cuidados com a pandemia, com base em um parecer apresentado pela Secretaria Estadual de Educação citando dados da incidência da Covid na rede.

"Estamos fazendo a alteração para conseguir acolher o maior número de alunos conforme a capacidade física de cada unidade escolar", afirma Kate Abreu, 32 anos, secretária executiva da Comissão Médica da Educação do governo estadual. 

"Não é mais falar de um limite percentual para todas as escolas, mas considerar a característica de cada uma delas e, a partir disso, a equipe gestora da escola estabelece quantos alunos devem estar presencialmente", diz.

O avanço na campanha de vacinação, além da diminuição das taxas de infecção, de internação e de mortes fizeram o governo estadual adotar medidas mais flexíveis em vários setores, inclusive, na educação, segundo Kate.

"Desde o fim do ano passado existem documentos da OMS [Organização Mundial da Saúde] que colocam o distanciamento de, no mínimo, 1 metro. A gente tem também um próprio documento orientador do Ministério da Educação e um guia do Ministério da Saúde que cita o distanciamento mínimo de 1 metro ", afirma.

No novo modelo aplicado, caso a escola só consiga receber um percentual de alunos não atingindo a sua capacidade máxima, então, ela deve se adequar para criar um sistema de rodízio, conforme o governo. A ideia é que todas as famílias que queiram enviar os estudantes para a escola sejam atendidas.

Em nota, a Secretaria Municipal da Educação de São Paulo disse que vai seguir as orientações do governo estadual e das autoridades de saúde nas escolas da rede. "A partir de agosto, a capacidade do prédio da escola é que definirá quantos alunos o colégio poderá receber", afirma trecho do texto.

A pasta diz ainda que a presença em sala de aula seguirá não sendo obrigatória e as atividades serão repassadas por meio do Google Sala de Aula e em atividades impressas para os alunos que não frequentam o presencial.

Publicidade

Mais Acessadas da Semana

Parceiros